Mostrar mensagens com a etiqueta Foto:internet. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Foto:internet. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

14 de Fevereiro




Dia dos namorados
uns livres outros caçados
alguns poucos apaixonados
outros tantos acomodados

Dia dos namorados
rosas, jantares e bombons
alguns beijos delicados
e alguns apertos dos bons

Dia dos namorados
nas prendas lindinhas
corações e flores bordados
em embalagens com fitinhas

Dia dos namorados
tudo por boa razão
comerciantes governados
em negócio do coração

Dia dos namorados
será que é uma boa ideia
sempre a ser levados
pelo canto da sereia

Dia dos namorados
será quando se quiser
corações apaixonados
sem data para o fazer.

dc



domingo, 4 de fevereiro de 2018

Nunca dançaste comigo




Nunca dançaste comigo, mas sempre pensei que dançava contigo. Sabíamos o que era a valsa, o bolero, o tango, o chá-chá-chá, como vês não falo daquelas músicas modernas em que todos parecem ter pulgas e se mexem para se coçar.
Nunca dançei mas tería adorado que me tivesses convidado para dançar. Agarrar-te nos meus braços, sentir a tua respiração no meu pescoço e as palpitações do teu coração no meu peito. Rodar, parar, rodar, mexer os pés para o sitio certo, ao ritmo certo, sentir o calor do teu corpo e os nossos cheiros, misturados, entranhando-se nos sentidos. Gostaria de ter dançado todo o reportório que faz uma vida, quase tirando os pés do chão, como se voassemos num amor de todo o sempre, daqueles de filme, de romance de autor, daqueles que trazem brilho aos olhos e lágrimas de prazer e ternura. Aquele amor que é para sempre, aquele que se sente como certo, ajustado, único, especial. Um amor sem limites, que suporta tempestades, bonanças saturadas. Um amor no qual, pisaduras nos pés, são avisos de cautela e nunca são afastamento, ou o fim da dança. Sabes, eu contigo teria dançado tudo, mesmo até as tais modernices, em que todos se coçam, ou levantam os braços como se estivessem à procura dos gambuzinos. Eu contigo transformaria o mundo num salão de baile privado, onde daríamos lugar às grandes danças da vida. Nunca dançamos, é pena, seríamos um par perfeito, só que tu não acreditavas. Um dia dançarei de certeza com uma bailarina traiçoeira à qual não poderei escapar, aí, será a última vez em que trocarei o movimento dos pés, mas já não me importarei, tudo será efémero e finito.

dc

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Tatuagem


Tatuaste no meu corpo todos os caminhos, todos os destinos, todos os sentimentos possíveis, todos os lugares de apoio e passagem, como ultrapassar todos os obstáculos. Com teus dedos afilados desenhaste as suas formas, deste-lhe a tinta dos teus beijos, secaste-as com o calor do teu corpo. Hoje quando me enfrento no espelho, deixo-me invadir pelas memórias, aqueles traços trazem-me as emoções dos momentos em que a pele do meu corpo era teu objecto de criação e amor. Não há laser que as destrua, ficam para sempre instaladas na pele, como se com elas tivesse nascido.

dc

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Chapéus há muitos



Sobre a cabeça inclinada, tinha colocado um chapéu de cor clara, que lhe tapava grande parte do rosto, lobrigando-se o queixo saliente, e umas pequenas rugas em volta da boca. Aquela figura aparecera-lhe de repente do nada. Ele temia ver mais do que se via, temia encará-la se ela se revelasse totalmente. Possivelmente não seria o rosto que a sua mente mantinha vivo, e nos olhos provavelmente encontraria ambiguidade, indiferença ironia, omissão e porque não mesmo, mentira? Melhor seria não levantar o chapéu, assim tudo ficaria como antes, mantendo uma ideia positiva de alguém, que outrora, fizera parte do seu mundo de emoções. Quem sabe, se usar o chapéu não fora um modo inteligente de criar suspense, de fugir ao olhar do outro, assim sempre evitava que se percebesse que as palavras não casavam com o olhar. Talvez uma espécie de silêncio, uma forma diferente de chamar a atenção sobre si; “reparem no chapéu, no meu corpo, e esqueçam o que meus olhos dizem, ou o que sinto”, assim tudo se tornaria mais fácil, “chapéus há muitos”.

dc


terça-feira, 2 de janeiro de 2018

A passagem é uma miragem





Tudo já é passado, os desejos, as vontades, os abraços, as risadas e o champanhe. A ressaca da festa atira-nos, pela crueza dos números para a realidade, que não se apaga com a mudança dum dia para a noite. Não o digo por péssimismo, mas é somente a realidade, que teimamos embelezar dizendo: vivam o momento. Estamos no “amanhã”, de ontem, a encurtar o caminho para o nosso fim e nada do que dissermos altera o que vem a seguir, se os nossos desejos e vontades não tiverem uma aposta obrigatória, devidamente assumida, de que mudaremos a todo o momento para fazer melhor. Isto em relação a nós e aos outros, contribuindo para a construção de algo mais importante que venha a ser digno de registo para o futuro.
Erro, eu, na impotência de querer mais, tal a falta de crença no Homem e na sociedade actual, essa que lhe satisfaz a materialidade, mesmo que induzida na sua vontade, onde vai perdendo valores humanos e ganhando novos vícios da inadequada, ou atamancada, adaptação a modernismos e virtuais entendimentos. Todos os dias se vão implantando ideias, através da comunicação de quem manda, que procuram a adaptação lenta ao que eles querem como futuro, para sermos robotizados e aceitarmos a robotização, a biotecnologia sem quaisquer controlos. Para nos convencerem trazem à liça uns “iluminados”, e bem pagos, que nos fazem acreditar, de que somos uns totós se não seguirmos o caminho da manada. Assim, um dia, quando acordarmos já é tarde e estamos instalados em algo que não pedimos, nem queremos, que nos submete como escravos modernos.



dc

"perdemos nosso gosto pelo silêncio. cada vez que temos alguns minutos, pegamos um livro para ler ou telefonamos ou ligamos a televisão. não sabemos como ser nós mesmos sem algo que nos acompanhe. perdemos nosso gosto em estarmos sozinhos. a sociedade retira de nós muitas coisas e nos destrói com barulhos, aromas e tantas outras distrações. a primeira coisa a fazer é retornar a nós mesmos para nos redescobrirmos. precisamos organizar nossa vida quotidiana de maneira a não permitir que a sociedade nos colonize. temos que ser independentes. temos que ser pessoas reais e não apenas vítimas da sociedade ou dos outros."
(thich nhât hanh - monge budista, pacifista, escritor e poeta vietnamita) tx. obtido através de Miriam